Navegando em represas: Chavantes: banho de cachoeira sem sair do barco.

 

A represa Chavantes, perto de Avaré e bem na divisa entre São Paulo e Paraná, tem vários atrativos para os donos de barcos: águas limpas e claras, paredões que mais parecem cânions, topografia invejável; cachoeiras, morros, matas, além do fantástico lago aproveitado para lazer, pesca e esportes náuticos.

A represa de Chavantes foi formada com o represamento dos Rios Itararé e Paranapanema. São aproximadamente 60.000 ha de terras alagadas em diversos municípios do Estado de São Paulo e Paraná.

Mas nada se compara ao prazer de tomar banho de cachoeira sem sair do próprio barco. É o que acontece na cascata do Gummy, uma empolgante queda d’água de mais de 30 metros de altura, que despenca na própria represa, acessível apenas para quem chega de barco, na parte que pertence ao município paranaense de Ribeirão Claro — que, por sinal, reúne a maior quantidade de cachoeiras da região. Em Chavantes, o negócio é se molhar. Seja na represa, nas cachoeiras ou nas duas coisas ao mesmo tempo.

Para quem quiser passar mais tempo no local, a cidade de Ribeirão Claro, de arquitetura simples e aconchegante, conta com muitas pousadas e hotéis, com preços variados, e casas para alugar na beira da represa.

O resort Tayayá, localizado às margens da represa, conta com piscina com vista para a represa, piscina aquecida, praia artificial, passeios de lancha, jet ski, stand-up paddle, academia, trilhas na mata, quadras poliesportiva, marina para pesca, restaurantes e bares.

Outra opção é a Pousada Recanto da Cascata, no bairro Siquerolli. O local possui quartos aconchegantes, piscina e acesso a uma linda cascata. A cascata é pública. Quem for até lá apenas para passar o dia pode aproveitar para almoçar no restaurante do hotel, famoso por seu filé de tilápia a parmigiana.

Para os aventureiros a dica é a Pousada Ruvina. Cercada por morros, o local disponibiliza acompanhamento para realizar rapel em cachoeiras e trilhas na mata. Mas a pousada é indicada também para os que buscam a tranquilidade do meio rural.

Para quem quer acampar, uma opção é o Balneário Cachoeira – uma prainha pública, com quiosque para churrasco, banheiro e restaurante. Vale também ir até a Ponte Pênsil, a 13 km da cidade, tombada pelo Patrimônio Histórico do Paraná, que permite uma bela vista do Rio Paranapanema.

Aos que estão dispostos a fortes emoções, a dica é seguir a trilha até o Morro do Gavião, ou ir de carro até a Rampa Pedra do Índio, locais que possuem as melhores vistas para a represa de Chavantes.

Mas quem gosta de história é indispensável passar pela Fazenda Monte Belo. Fundada em 1900, o local conservou muito bem casarões e equipamentos do auge da cafeicultura. É possível instalar-se nos charmosos chalés ou agendar passeios para conhecer as instalações de café, fazer a trilha ecológica, e ainda aproveitar para tomar um gostoso café colonial.

 

 

  

 

Fonte: Náutica e Bonde